inês botelho 

início | biografia | bibliografia | imprensa | agenda | caderno | correio

_________________________________________________________________________________________________________________

jornais 2003 | 2004 | 2005 | 2006 | 2007 | 2010 | 2012 | revistas | audiovisual

 

Jornal – "O Primeiro de Janeiro"

Data – 23 de Dezembro de 2003

Jornalista – Sandra Carvalho

Fotógrafo – Pedro Tavares

Título – Gaia ganha nova escritora

Subtítulo – Aos 17 anos Inês Botelho publica “A Filha dos Mundos”

Introdução  – Inês Botelho lança o livro “A Filha dos Mundos”, o primeiro volume de “O Ceptro de Aerzis”. Apesar de ser muito jovem, a escritora gaiense já decidiu o que quer fazer da vida, conciliar a genética com a arte. Em agenda estão duas novas publicações para a trilogia.

Texto

“Uma aventura fantástica e uma viagem de auto-conhecimento” é a promessa que Inês Botelho, autora do livro “A Filha dos Mundos”, faz aos leitores. Trata-se da primeira de três publicações da trilogia “O Ceptro de Aerzis”, criada pela escritora.

Com apenas 17 anos, a autora de Vila Nova de Gaia lança-se assim no mundo dos escritores com a história de Ailura, a primeira protagonista desta nova saga sob a chancela da Gailivro.

Foi durante o último Verão que Inês Botelho se dedicou à escrita da sua primeira obra, que escrevia, quase todos os dias, de manhã à noite. Depois do livro concluído, a autora deu a conhecer o trabalho à professora de Português, aos familiares e amigos, de quem recebeu elogios e incentivos para divulgar a obra pelas editoras.

O processo revelou-se algo complicado. Inês enviava a publicação a várias empresas literárias, mas não obtinha nenhuma resposta. Só em Janeiro deste ano, a escritora recebeu o sinal verde da editora gaiense. A fase de produção estendeu-se até Outubro, data em que foi lançado “A Filha dos Mundos”.

O lançamento da obra teve lugar no Colégio Nossa Senhora da Bonança, a escola onde Inês frequenta o 12º ano. O salão de festas da instituição foi pequeno para receber alunos, professores, amigos e familiares da autora. Questionada sobre as reacções dos presentes, a jovem escritora explica que não teve percepção porque passou, o tempo todo, a dar autógrafos.

Influências

Inês Botelho garante que não recorreu a nenhum autor nem a nenhuma obra para redigir o livro, mas confessa que recebe algumas influências de escritores como J. R. R. Tolkien. Quanto a escritores portugueses, Rosa Lobato Faria e João Aguiar são os seus preferidos.

Actualmente, a autora encontra-se no 12º ano, no agrupamento científico-natural, com uma média de 19 valores. No próximo ano, Inês pretende entrar na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, para o curso de Biologia. Uma especialização em genética é outras das suas metas. Além da ciência, a escritora tem no cinema e na representação uma forte paixão, mas está convencida da dificuldade de uma carreira cinematográfica em Portugal. Quanto ao futuro, a escritora pretende dividir-se entre a genética e a escrita. “Basta conciliar o tempo”, atesta Inês.

O novo volume da trilogia já está escrito, estando previsto o seu lançamento para o segundo trimestre de 2004. A autora já tem pensada a trama do terceiro livro de “O Ceptro de Aerzis”, mas só vai redigi-lo depois de concluir os exames de acesso ao Ensino Superior. A escritora não quis adiantar pormenores, contudo afirma que as duas histórias andam à volta de duas novas protagonistas.

Fascínio pela escrita

“Concretizar-me a mim mesma e ver os meus sonhos e aventuras” é a meta que Inês estabeleceu em “A Filha dos Mundos” e nas outras obras que surgirão. Afirma que, quando começa a escrever, esquece-se do mundo que a rodeia e viaja até ao mundo das histórias que cria. Quanto à leitura, a escritora diz que a leva “a conhecer o mundo de outras pessoas, ver realidades de outras perspectivas e se, porventura, for um livro dramático ajuda-me a reflectir”.

Vida dedicada à arte

Com apenas 5 anos, Inês Botelho começou a estudar piano em casa, e aos 10 iniciou o curso complementar de piano e formação musical, na Escola de Música de Vilar do Paraíso. Actualmente com o curso concluído, encontra-se a fazer teóricas e composições musicais. O coro juvenil, da mesma instituição, é outra das actividades onde a artista participa.

Além da música e escrita, Inês fez durante dois anos teatro amador no grupo cénico do Sporting Clube Candalense. Embora goste de representar, a escritora decidiu abandonar a representação por não conciliar o teatro com a música.

Como escritora, Inês confessa ter o desejo de escrever um livro de ficção sobre a Revolução dos Cravos, porque considera um facto importante da história portuguesa que marcou a sua família, em especial a mãe. Defende que já se falou e escreveu muito sobre o 25 de Abril, mas poucos o fizeram ao nível da ficção. No entanto, deixa o aviso que só vai escrever a publicação da revolução, daqui a muitos anos, quando tiver muita experiência.

Enredo

“A Filha dos Mundos” é o primeiro volume da trilogia “Ceptro de Aerzis”. Conta a história de Ailura, uma directora de um jornal que um dia é atropelada enquanto passeia na rua. Depois do incidente, a protagonista acorda dentro de um rio, no meio de uma floresta. Entretanto, a jovem é salva por um misterioso rapaz louro que lhe diz que ela tem episódios da sua vida que desconhece. A partir deste momento, uma série de aventuras vão-se desenrolar, onde a protagonista desvenda alguns fragmentos do seu passado oculto. Inês Botelho garante que a segunda publicação desta saga já escrita vai recuperar alguns momentos de “A Filha dos Mundos” e preparar os leitores para o terceiro e último livro da trilogia.

 

Arte. Aos 17 anos já passou pelo mundo da escrita, música e teatro

Protagonista. Ailura é a heroína de "A Filha dos Mundos"

Jornal – "O Comércio do Porto"

Data – 14 de Dezembro de 2003

Jornalista – Rodrigo Afreixo

Fotógrafo – Pedro Granadeiro

Título – “A Filha dos Mundos”: viagem fantasiosa com fadas e duendes

Subtítulo – A jovem autora, residente em Gaia, lançou ontem o seu romance de estreia

Texto

“Gosto de escrever desde que sei escrever”, confessou ao COMÉRCIO a jovem Inês Botelho, que acaba de lançar o romance fantástico “A Filha dos Mundos” “livro I” de uma trilogia genericamente intitulada “O Ceptro de Aerzis”. O livro é o segundo volume da colecção “Jovens Talentos”, das Edições Gailivro.

O mais surpreendente é o facto de Inês ter apenas 17 anos. Ontem à tarde, sentada numa mesa à entrada da Livraria Almedina, no Arrábida Shopping, dava autógrafos a quem comprasse o seu livro.

Desde sempre que Inês foi fascinada pelo género fantástico. Aos nove anos, leu a trilogia “As Brumas de Avalon”, de Marion Zimmer Bradley, que viria a revelar-se uma influência determinante. Mais tarde, leu outra trilogia povoada por elfos, fadas, gnomos e duendes: “O Senhor dos Anéis”, de J.R.R. Tolkien. “A partir daí, quis criar uma história minha, uma própria aventura”, confessa.

A ideia base, então resumida “em duas linhas”, surgiu-lhe há cerca de dois anos, no Natal de 2001. E foi amadurecendo até que chegaram as férias grandes do ano seguinte, quando Inês se sentou em frente ao computador e começou a escrever compulsivamente. Neste momento, além de “A Filha dos Mundos”, já tem concluído o segundo volume. O terceiro “será escrito nas próximas férias grandes”. Entretanto, fez algumas fotocópias, enviou para várias editoras e “surgiu o interesse da Gailivro em publicar”.

Nesta trilogia, Inês Botelho aborda “a vida de três mulheres ligadas entre si”. Pedimos-lhe que nos resumisse a intriga de “A Filha dos Mundos”. Segundo a autora, “é a história de uma rapariga de 28 anos, jornalista, que tem um acidente, acorda dentro de um rio, é resgatada por um elfo e, a partir daí, faz uma viagem de auto-conhecimento na qual vai descobrir coisas sobre o passado e sobre ela própria”.

Residente em Vila Nova de Gaia, Inês frequenta o 12º ano e escreve semanalmente críticas cinematográficas para o jornal de parede do seu colégio, desde o ano passado. Além disso, estuda piano e já foi premiada em diversas iniciativas literárias juvenis. O incentivo de Maria Luísa Pinto, a sua professora de Português do 10º ano, foi decisivo para começar a escrever. Embora seja “aluna de 18” a Português, quer “tirar Biologia com especialização em Genética”. O seu sonho é dividir-se entre a ciência, o cinema e a literatura.

 

Com 17 anos, Inês Botelho estreia-se com a trilogia "O Ceptro de Aerzis"

Jornal – "Jornal de Letras"

Data – 10 de Dezembro de 2003

Título – Para todos os gostos

Excerto

(…) e Inês Botelho, uma jovem de 17 anos que se estreia na ficção. (…) Quanto a Inês Botelho, o seu romance (A Filha dos Mundos, Gailivro, 192 págs., 7,80 euros) é uma obra de ficção fantástica, centrado numa protagonista cuja infância esteve povoada de contos de fadas e similares para já em adulta descobrir que a fronteira que separa o real do imaginário é tão espessa como o próprio ar. (…)

 

 

Jornal – "Jornal de Gaia"

Data – 20 de Novembro de 2003

Título – Inês Botelho escreveu “A Filha dos Mundos”

Subtítulo – Jovem autora vive em Gaia

Texto

Tem 17 anos e vive em Gaia. Chama-se Inês Botelho. Escreveu o seu primeiro livro. “A filha dos mundos”. É o primeiro volume da trilogia “O Ceptro de Aerzis”, que se centrará na vida de três mulheres.

Esta obra, inserida na Colecção Jovens Talentos das Edições Gailivro, retrata a infância de Ailura, “repleta de contos de fadas, elfos e duendes, de todo um mundo mágico e maravilhoso. Mas como todas as crianças ela cresceu e, lentamente, esqueceu esse mundo encantado, até que deixou de acreditar que a barreira que separa o nosso mundo dos sonhos e do maravilhoso não é mais espessa que o próprio ar”.

Inês Botelho escreveu este livro para si e para satisfazer a sua necessidade de aventura e emoção, tendo a ideia da publicação surgido quando a autora já tinha mais de metade do livro escrito e sentiu a necessidade e entusiasmo que qualquer autor sente em mostrar ao mundo um pouco do seu próprio mundo. Dos dados biográficos da autora, que vêm expressos em “A filha dos mundos”, consta ainda que Inês Botelho frequenta, actualmente, o 12° ano e que escreve críticas cinematográficas para o jornal de parede do colégio onde estuda. Refere também que concluiu o 8° grau de Formação Musical e Piano na Academia de Musica de Vilar do Paraíso, bem como ganhou o 9° prémio na categoria “Ensino Secundário” pela participação no concurso de Literatura Juvenil “Triângulo Jota” e foi uma das dez vencedoras do concurso “Colecção DVD's DN”, organizado pelo jornal “Diário de Notícias”.

Claramente um currículo promissor para quem tem apenas 17 anos.

 

Jornal – "Jornal de Notícias"

Data – 12 de Outubro de 2003

Jornalista – Natacha Palma

Fotógrafo – José Carmo

Título – Fechou-se num quarto e criou um novo mundo

Subtítulo – “A Filha dos Mundos” é, segundo a jovem autora Inês Botelho, “uma viagem de auto-conhecimento”

Texto

Tinha nove anos quando, já cansada dos livros de aventuras infantis, a mãe, sua companheira de leituras, lhe deu a conhecer o mundo fantástico de Marion Zimmer Bradley. Inês Botelho era ainda uma criança quando os seus sonhos foram povoados pelas personagens da lenda do rei Artur, mas depressa percebeu que queria mais. Depois de vários anos a namorar os livros de J.R.R. Tolkien, Inês, já adolescente, conseguiu pôr as mãos no primeiro volume da trilogia “O Senhor dos anéis”, isto depois de se ouvirem rumores acerca de um realizador neozelandês que estaria a trabalhar na adaptação dos livros ao cinema.

Quando acabou de ler a última página de “O regresso do rei”, a Inês Botelho tinha crescido uma nova alma e uma vontade indestrutível. Criar o seu próprio mundo fantástico, onde pudesse viver, ou simplesmente vaguear em sonhos.

Aos 15 anos, e depois de um grande incentivo por parte da professora de Português, que lhe deu uma nova visão sobre a escrita, Inês Botelho passou as férias de Verão praticamente encarcerada num quarto.

Enquanto os pais e a irmã mais velha fitavam a porta fechada e se preocupavam com a estranha e repentina clausura, Inês Botelho martelava freneticamente o teclado de um computador.

Naquele quarto, Inês deu à luz uma mulher de 28 anos, jornalista, aliás directora de um influente jornal. Ailura, o nome da personagem principal, tivera uma infância invejável, junto de um pai que lhe alimentava a imaginação com histórias de fadas, elfos, duendes e gnomos, enquanto a mãe a mantinha ligada ao mundo “civilizado”. Com o desaparecimento repentino do pai, quando Ailura tinha apenas 11 anos, a jovem tudo fez para esquecer as histórias fantásticas e dedicou o seu tempo a ser uma mulher de sucesso.

“A Ailura faltava, no entanto, algo. Algo que lhe preenchesse um vazio permanente e inexplicável, um vazio só identificado quando, depois de sofrer um grave acidente, Ailura acorda no último lugar que se possa imaginar. Em vez de rodeada de homens de bata branca e máscaras, Ailura desperta dentro de água, num rio que serpenteia por uma misteriosa floresta”, conta Inês Botelho.

A acordá-la está uma personagem estranhamente bela: um jovem elfo que “a levará numa viagem de auto-conhecimento”, para descobrir que está agora num mundo paralelo, onde a esperam como herdeira do reino das Terras da Luz e, mais, com a terrível missão de afastar o Mal daquelas paragens.

Ao fim de três meses, Inês Botelho escreveu aquele que é o primeiro livro de uma trilogia denominada “O Ceptro de Aerzis”. Depois de vários meses de tensão, na habitual espera de pareceres de várias editoras, a Gailivro decidiu incluir “A filha dos mundos” na sua Colecção Jovens Talentos. O livro estará à venda já no próximo dia 22, e o segundo em breve estará a caminho. Inês Botelho, agora com 17 anos, terminou o segundo volume há exactamente oito dias. Quanto ao terceiro, Inês diz que já o tem escrito em pensamento, mas terá de ser com mais calma, até porque enfrenta o 12º ano de escolaridade, “que não é para brincadeiras”.

 

Trilogia "O senhor dos anéis" de Tolkien, inspirou Inês Botelho a escrever o seu primeiro livro

Jornal – "Jornal de Gaia"

Data – 25 de Setembro de 2003

Título – Gailivro e Inês Botelho lançam “A Filha dos Mundos”

Texto

Sábado, pelas 18 horas, as Edições Gailivro e Inês Botelho vão lançar publicamente o livro “A Filha dos Mundos”. Trata-se de uma ficção “fantástica”, onde “o maravilhoso se encontra com o real”.

Este é também o primeiro título da trilogia “O Ceptro de Aerzis”, pertencente à Colecção Jovens Talentos, na qual a Gailivro pretende dar a conhecer e lançar novos valores no campo da literatura.

O lançamento de “A Filha dos Mundos” terá lugar no Colégio Nª Sª da Bonança, à Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, nº 1366.

 

 

Jornal – "O Primeiro de Janeiro"

Data – 2 de Agosto de 2003

Título – Gailivro… Fiel à tradição, aposta na inovação

Excerto

(…) Mas a maior diferença visível entre a Gailivro e as restantes editoras está na aposta nos jovens escritores: “Os jovens com talentos especiais na área da escrita sabem que têm na Gailivro uma porta sempre aberta. Depois do sucesso alcançado com o livro “Lágrimas Coloridas”, já em segunda edição, da jovem autora Ana Macedo, apresentaremos brevemente um novo trabalho que dará continuidade à colecção Jovens Talentos. Desta vez, a aposta da Gailivro incidirá numa história de grande qualidade, da autoria da jovem Inês Botelho, sob a forma duma trilogia de ficção, com o nome de “A Fllha dos Mundos”. O primeiro livro de “O Ceptro de Aerzis”, estará disponível nas livrarias já no mês de Setembro”. (…)

 

 

 

início | biografia | bibliografia | imprensa | agenda | caderno | correio

_________________________________________________________________________________________________________________

jornais 2003 | 2004 | 2005 | 2006 | 2007 | 2010 | 2012 | revistas | audiovisual